Travesti, Acué e Cidadania

Travesti tem necessidade de auto-realização para se afirmar como a linda mulher que é.

Travesti precisa manter suas necessidades de moradia, alimentação, saúde, educação e sexo. Mas, para isto precisa, também, do acué.

Travesti precisa que o Estado as inclua efetivamente em suas políticas públicas, bem como adquirir direitos cidadãs inerentes a sua identidade de gênero. Precisa de cidadania.

Travesti já se vê e sente como mulher e assim devemos admirar e respeitar tão corajosa e amável transformação de corpo , pois sua alma é feminina, de Adão para Eva.

A necessidade do acué:

Geralmente vida de travesti é sofrida desde quando decide assumir sua identidade de gênero e se revelar a sua família. Claro que cada caso é um caso .
Assim, cedo veem necessidade de ganhar dinheiro para sustento e o caminho mais fácil e perigoso é a prostituição. O mercado de trabalho não abre suas portas como deveria às travestis. O mercado de trabalho é excludente e piramidal, mas a falta de qualificação técnico-profissional de muitas travestis também contribui para este quadro negativo. Estudar ao menos o ensino médio e passar num concurso público pode ajudar muito.

No mercado sexual existem algumas travestis “babadeiras” que fomentam rivalidade, ciúmes e brigas por território e clientes. A vida por si só é difícil e para elas a dificuldade é potencializada.
Por isto, nos momentos em que estou com alguma Princesa procuro dar todo carinho possível. Tem umas que entendem, porém outras endurecidas pela vida acham estranho receber carinho, bombom e quem sabe uma flor .
Algumas querem do “ocó” somente o “acué ou arô.”
Claro, há muitas meninas bem sucedidas .

Cidadania:

Faz algum tempo que Sergipe possui associações exclusivas de travestis e transexuais ou associações que as incluem. Estes segmentos realizam um excelente trabalho de inclusão social e defesa dos direitos humanos para seu universo GLBT .
Neste mundo voraz é essencial se fazer representado e reconhecido como pessoa humana .
Nada mais justo .

Merecem destaque:

ASTRA: Associação de Direitos Humanos e Cidadania GLBT de Aracaju – na pessoa da linda, competente e iluminada Travesti Tatiane Araújo .
Unidas: Associação de Travestis Unidas na Luta pela Cidadania.

Por fim, quero ver o dia em que o nome social seja de fato implementado e respeitado em todo Brasil.

Eu tive um romance-programa (isto existe ?) com Joana por quase quatro anos e jamais quis saber seu nome de nascimento.
O nome Joana para mim era uma sinfonia de amor!

Amo travesti e admiro a coragem destas Princesas de Ouro .

Gostei(1)Não gostei(0)

Veja também - See more:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *